18 de ago de 2010

Dimensões Estruturantes nas TIC


Com base nos processos que tem sido discutido no curso de Especialização em Educação e novas Tecnologias na UFBA em parceria com a Rede Minucipal de Ensino, O Uso das Tic ( tecnologia da educação e comunicação), no âmbito da formação dos educadores para uma prática atrelada ao uso das mesmas com efetividade e interatividade, no que tange as possibilidades que surgem com as redes de colaboração e a inteligência coletiva, integra uma forte componente educativo, orientada para uma práxis pedagógica ativa, com base no desenvolvimento de uma inteligência coletiva enquanto profissionais da contemporaneidade e integrante da cibercultura sendo consumidor responsável e utilizador inteligente das tecnologias disponíveis.


Neste sentido, a dimensão cultural é central e estruturante no processo de formação de professores em tecnologia e novas educações, pois trata-se de proporcionar um novo perfil do educador assente no sentido crítico e compreensivo da cultura tecnológica. Este aspecto fundamental para a a cibercultura desenvolve-se em torno de conceitos, valores e procedimentos que caracterizam os estádios atuais de desenvolvimento (desiguais) econômico, social e cultural.

A compreensão da realidade da virtualidade no mundo contemporaneo, e em particular da realidade virtual que vincula a criança e o jovem, necessita de um novo perfil do educador para um prática docente de qualidade e atrelada a realidade da sociedade em que estamos inseridos e, portanto, não se pode permitir a neutralidade desta real situação global da sociedade com o uso da interned e das redes colaborativas, de forma a permitir não apenas a construção do conhecimento, mas também a formação de um posicionamento ético, reflexivo. Mas  alicerçado em valores e atitudes, desenvolvidas como processo de construção na formação do nova identidade social.

As atividades humanas visam criar, inventar, conceber, transformar, modificar, produzir, controlar e utilizar produtos ou sistemas. Portanto, assumir que estamos em uma verdadeira revolução da virtualidade requer perceber que as convergências deste processo já podem ser vista em nossa sociedade em todos os âmbitos: educacionais, comerciais, industriais, políticos, acadêmicos, faniliares, em fim. Podemos dizer, genericamente, que estas ações correspondem a intervenções de natureza técnica, constituindo a base do próprio processo tecnológico em que vive hoje a sociedade brtasileira.

Neste sentido, o uso das TIC é eixo estruturante da educação e, ao mesmo tempo, organizador metodológico do processo didático que lhe está subjacente.


Assim, a compreensão dos principais conceitos e princípios aplicados ao uso das Tecnologias e comunicações, bem como o conhecimento amplo das redes colaborativas e da inserção do indívíduo no ciberespaço são elementares, pois constituem o corpo de referência dos saberes-chave para um a prática pedagógica, realmente estruturantes e com dimensões e possibilidades imprescindíveis ao educador da contemporaneidade.

6 comentários:

Educação: da Intenção a Ação disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cris Araujo disse...

Realmente Lusi a compreensão da realidade virtual no mundo contemporâneo pelo professor é a ideia chave para esse profissonal possa realizar a sua prática pedagógica de maneira estruturante no uso das TICs.
Abraços.

Aline Dantas disse...

Prontinho!!! agora estou te seguindo Lú.
Saiba que te admiro muito viu?
Beijinhos dessa sua amiga maluquinha.
Aline Dantas

Educação: da Intenção a Ação disse...

rsrsrsrs vc comentou como se vc eu! tem que fechar e abrir o seu rapaz. rsrsrsrs. San San ! Te amo!

Emerson_ac disse...

Podemos experenciar novos saberes a partir do uso das tecnologias. Algo gratificante e emocionante na sua dimensão emancipadora e criativa do ser humano. Porém o uso indiscriminado da mesma, assim como a supervalorização da máquina e chips eletrônicos tem mutilado o homem naquilo que o distingue das outras espécies, a razão. Sua capacidade de pensar e agir de acordo com paramêtros constituidos pela vivência com o outro. Por isso temos que nos reguardas quanto aos usos que fazemos desses recurso pontencializados para que a técnica ñ supere o dom maior da humanidade a capacidade de amarmos uns aos outros, então ser tec é encaramos dia-a-dia "essa verdadeira revolução" em todos os âmbitos". Como um grande homem em sua humanidade um dia nos ensinou.

Educação: da Intenção a Ação disse...

O livro corpos mutantes traz uma discuissão justamente em relação a esta perspectiva no texto III. As discussões e o olhar que podemos direcionar as tecnologias não significa que todos os nossos referenciais desapareceram. Acontece que as vezes a nossa hipocrisia nos empede de ir adiante. Pense nisso! O próprio Paulo Feire disse: uma das coisas mais lastimáveis para um ser humano é ele não pertencer a seu tempo. é sertir, assim, um exilado no tempo.(Paulo Freire, 1884 pg:14.
Pense nisso!